Home » Blog

O que é um romance histórico?

Neste artigo, discutiremos o conceito do romance histórico no contexto literário, suas origens e características mais importantes.

Além disso, daremos um passeio pelas vidas de alguns dos autores mais representativos do subgênero.

O conhecimento da história sempre nos aproximou do passado para entender nosso presente.

A importância de estudar esta disciplina reside na possibilidade de compreender as mudanças na sociedade em múltiplos aspectos da vida.

Os romances históricos são obras de ficção que procuram mostrar a realidade do mundo em diferentes períodos de nossa história.

No final convidamo-lo a visitar:

| Livros Gratis: +100 Romances Grátis! [PDF]

| Livros para dar de presente: Melhores 5 Romances para dar de Presente

| Melhores Romances: Os Melhores 20 Romances [Pagos]

O que é o romance histórico?

O romance histórico é uma obra de ficção e um subgênero literário cujo objetivo é recriar uma época ou período distante (de preferência) baseado em personagens e situações que ocorreram na vida real.

É importante diferenciar o romance histórico da ficção histórica, que retrata eventos fictícios e personagens ambientados no passado.

Este tipo de narrativa tenta evocar e transmitir os costumes, o espírito e a situação social de um período específico da história através da construção de detalhes realistas que são fiéis aos fatos históricos.

Em alguns casos, o romance histórico pode misturar personagens históricos com personagens fictícios.

Os autores por trás dos romances deste gênero muitas vezes retratam a sociedade de um ponto de vista mais amplo. Isto serve para refletir o impacto que cada episódio tem na vida individual dos personagens.

Origem do romance histórico

Após uma série de obras pioneiras no gênero, o romance histórico se estabeleceu firmemente na paisagem literária durante o século XIX.

O escocês Sir Walter Scott foi o autor que inaugurou oficialmente o gênero com seus romances que retratam a vida na Idade Média na Inglaterra. Waverley, publicado em 1814, foi o primeiro destes.

As origens do romance histórico como gênero acontecem durante o período do Romantismo na Europa. Assim, a ficção histórica tornou-se uma expressão artística dos nacionalistas românticos.

Os autores do gênero se opuseram às novidades e mudanças que a burguesia trouxe ao mundo, e o romance histórico foi a catarse.

Assim, cada escritor buscou uma espécie de refúgio na narrativa histórica, mas, em simultâneo, fez uma crítica do presente através dos acontecimentos do passado.

No início do século XX, o subgênero já havia se estabelecido nos Estados Unidos através de um foco na guerra civil e outros conflitos armados internos.

Mais tarde, os autores usaram as duas guerras mundiais como fontes de inspiração. Prova disso são os romances The English Patient (1992), nos quais quatro personagens procuram sobreviver num lugar abandonado durante a Segunda Guerra Mundial.

Ou Sarah ‘s Key (2006), um romance de Tatiana de Rosnay que relata a vida de uma mulher judia assediada pelos nazistas.

Se você estiver interessado neste tópico, você também pode querer ler: Realismo Literário: Características, Autores e Obras.

Principais características do romance histórico

Algumas das características que distinguem o romance histórico dos outros subgêneros do romance são:

Utiliza eventos históricos precisos

A precisão histórica é um dos bastiões deste tipo de romance. Pode ser um evento preciso ou um período importante que é sempre fácil de identificar por seus costumes e normas.

Algumas definições precisas usadas nestes trabalhos de literatura são a Grande Depressão ou a Segunda Guerra Mundial.

Criatividade na trama

Um dos aspectos que diferencia o romance histórico de outros gêneros é o uso de dispositivos literários para acrescentar fantasia à obra. A trama deve ser criativa e combinar a ficção com a história.

Por exemplo, no romance de F. Scott Fitzgerald, The Great Gatsby, a trama é ambientada em 1920, quando o jazz se tornou popular em Long Island.

Tradições e costumes

Os padrões de comportamento, linguagem e costumes dos personagens devem ser consistentes com as tradições do período histórico em questão.

Isto é evidente em detalhes simples, tais como a gíria dos personagens. Para escrever ficção histórica, o autor deve voltar ao passado e trazê-la de volta para as páginas de sua obra.

Pesquisa minuciosa

Para escrever ficção histórica, o autor deve voltar ao passado e trazê-la de volta para as páginas de sua obra.

Para conseguir isto, o autor deve fazer uma pesquisa e documentação adequada sobre os eventos que planeja contextualizar em seu livro. 

Desta forma, ele pode incluir elementos fictícios que lhe permitem desenvolver uma história confiável.

Reflexão sobre o presente e o futuro

Na maioria dos romances do gênero, os autores pretendem mostrar uma realidade antiga que pode servir como uma experiência de aprendizagem para um evento atual.

O anacronismo e a hipérbole são dois dispositivos eficazes para distorcer a história e convidar o leitor a refletir sobre o estado atual da sociedade.

Autores representativos do romance histórico

Arturo Pérez Reverte

Arturo Pérez Reverte (Cartagena, 1951) é um escritor e jornalista espanhol, considerado um dos principais autores de romances históricos em língua espanhola.

Sua experiência como correspondente de guerra lhe permitiu contar grandes histórias espanholas, tais como as aventuras do mítico Capitão Alatriste.

Alguns de seus trabalhos mais notáveis de ficção histórica são O  capitão Alatriste (1996), Limpeza de sangue (1997), O ouro do rei (2000) e O franco-atirador paciente (2015).

Robert Graves

Robert Graves (1895 – 1985) foi um escritor britânico, que ganhou popularidade no gênero romance histórico por suas peças de televisão, incluindo Eu Cláudio (1934).

Outras obras importantes foram Cláudio, o deus e sua esposa Messalina (1943) e o Conde Belisário (1938). Ele também escreveu uma série de contos sobre a mitologia grega (1960).

Umberto Eco

Umberto Eco (1932 – 2016) foi um escritor e filósofo italiano, autor de um grande número de ensaios sobre linguística, estética e semiótica, assim como de vários romances.

Seu romance histórico mais popular é O Nome da Rosa, ambientado no norte da Itália, onde uma série de crimes misteriosos ocorreu.

Folheto Ken

Ken Follet (b. 1949) é um autor galês de romances históricos e thrillers. Ele é o autor do maior número de romances históricos existentes hoje em dia.

Alguns dos mais importantes são The Pillars of the Earth (1989), World Without End (2007) e The Century (2010-2014).

Bernard Cornwell

Bernard Cornwell (b. 1944) é um romancista e jornalista nascido em Londres. 

Ele é mais conhecido por seus romances sobre Richard Sharpe, um atirador da era Napoleônica.

Outro de seus trabalhos marcantes são Saxões, Vikings e Normandos, uma série de romances históricos sobre o nascimento da Inglaterra durante a invasão Viking dos séculos IX e X.

Se você está procurando inspiração, quer estudar um assunto em profundidade ou apenas quer sentir o prazer da leitura, então convidamos você a navegar por nossa extensa coleção de +3.500 livros gratuitos.