Home > Autores Clássicos > Arthur Schopenhauer

Os melhores 6 livros de Arthur Schopenhauer [PDF]

Arthur Schopenhauer nasceu em Danzig, em 22 de fevereiro de 1788. Quando Schopenhauer tinha 5 anos de idade, a Polônia anexou Danzig, antiga cidade do mercado livre. Sua família se mudou para Hamburgo, Alemanha, em busca de um ambiente mais agradável para os negócios de seu pai.

Em 1797 Schopenhauer foi enviado para morar com uma família na França, retornando a Hamburgo após 2 anos para entrar numa escola pública. Mais tarde ele se interessou pela literatura, ganhando a desaprovação de seu pai, que, no entanto, lhe deu a opção de fazer estudos literários sérios ou viajar com a família por 2 anos. Schopenhauer optou por viajar.

Em suas viagens, Schopenhauer conseguiu um emprego como balconista no escritório de um negociante de Hamburgo. Naquele ano, 1805, seu pai morreu, aparentemente por suicídio.

O mundo mercantil era apenas um fardo para o jovem Schopenhauer, cujas ambições e desejos eram ao mesmo tempo desfocados e frustrados. 

Sentindo-se constrangido por uma promessa a seu pai, Schopenhauer permaneceu no trabalho até 1807, quando renunciou a estudar grego e latim numa escola em Gotha.

Ele então se mudou para uma escola em Weimar, onde sua mãe já havia se estabelecido como dona de um salão literário frequentado por Goethe e outros notáveis. Mas Schopenhauer já havia brigado antes com sua mãe. Por isso, ele residia com seu mentor, o filólogo Franz Passow, que pagou sua mensalidade.

Os estudos de Schopenhauer correram bem e em 1809, ao adquirir um belo legado, ele se matriculou na Universidade de Göttingen. Ele estudou principalmente ciência e medicina, mas acabou se voltando para a filosofia.

A nova paixão de Schopenhauer pela filosofia o levou à Universidade de Berlim, onde ele esperava sacrificar a sabedoria de Johann Gottlieb Fichte, então o principal filósofo da Alemanha.

Ele ficou desapontado com Fichte, mas permaneceu na universidade até 1813, quando a Prússia se mudou para expulsar os franceses após a derrota de Napoleão.

Ao ver os perigos de permanecer em Berlim e não estar com disposição para o fervor nacionalista, Schopenhauer procurou refúgio em Rudolstadt. Lá ele completou sua tese de doutorado, que ele submeteu com sucesso à Universidade de Jena.

Ele publicou a dissertação por conta própria e depois retornou a Weimar. Ele conheceu Goethe, que parecia simpatizar com seu pensamento. Um dos frutos de suas conversas foi o pequeno estudo «On Vision and Colours» de 1816.

As relações infelizes de Schopenhauer com sua mãe finalmente terminaram em hostilidade aberta, e ele se mudou para Dresden. Até então, a ideia central e simples de sua filosofia havia tomado posse de sua mente.

A principal fonte desta ideia foi sua própria experiência e estados de espírito, mas a expressão dela deveu-se muito às filosofias de Platão e Immanuel Kant e à literatura mística da Índia. 

Enquanto as filosofias anteriores haviam sido divididas em escolas e problemas especiais, a sua própria, como ele a concebeu, seria uma estrutura única e simples.

A expressão mais simples desta poderosa ideia é provavelmente o próprio título do livro que ele escreveu em Dresde, «O Mundo como Vontade e Ideia». Com dois livros em seu haver, Schopenhauer recebeu uma cadeira de filosofia na Universidade de Berlim.

Em 1831, a cólera foi epidemia em Berlim, e Schopenhauer fugiu para Frankfurt, onde permaneceu pelo resto de sua vida. Em 1836 ele publicou um estudo da ciência contemporânea, «Sobre a vontade na natureza», mostrando que sua filosofia era consistente com as ciências.

Em 1839, ele ganhou um prêmio da Sociedade Científica Norueguesa por um ensaio sobre liberdade de vontade. A este ensaio ele acrescentou outro, publicado em 1841, «Os dois problemas fundamentais da ética»

Durante esses anos, ele revisou e ampliou o texto de «O Mundo como Vontade e Ideia», que foi republicado em 1844 com 50 novos capítulos. Em 1847, ele publicou sua dissertação, «Sobre a Raiz Quádrupla do Princípio da Razão Suficiente».

Nessa época ele já estava chamando a atenção, mas a fama que tinha sido prevista ainda era apenas um sonho. Finalmente, em 1851, Schopenhauer publicou o livro que lhe trouxe fama e um seguimento.

Intitulado «Parerga und Paralipomena», era uma coleção de ensaios e aforismos altamente polidos e perspicazes. Seu estilo foi provavelmente a principal razão para o sucesso imediato do livro.

Schopenhauer morreu em 21 de setembro de 1860. Até então, ele tinha inúmeros seguidores e era idolatrado como uma espécie de salvador.

1) A arte de lidar com as mulheres

A arte de lidar com as mulheres é um livro escrito por Arthur Schopenhauer (1788-1860) que expõe suas ideias sobre o papel da mulher na existência humana.

Este autor foi pioneiro na reflexão sobre a mulher enquanto protagonista ativa na sociedade, artes e filosofia. No entanto, é um livro que neste século está um pouco descontextualizado pois mostra como era vista a mulher naquela época.

Ao ler o livro, você deve levar em conta os condicionamentos e as circunstâncias daqueles anos. Dependendo do leitor, suas linhas sem dúvida causaram sorrisos ou indignação.

2) As Dores Do Mundo

As dores do mundo é considerada uma das obras clássicas da filosofia alemã a qual trata sobre temas do amor, a arte, a moral, a religião, etc. O filósofo traz reflexões sobre a existência, cuja finalidade, segundo ele, seria a própria dor, constituindo-se o mundo num lugar de expiação.

O autor tece aqui suas considerações fundamentando-se na teoria de que 'O bem, a felicidade, a satisfação são negativas porque não fazem senão suprimir um desejo e terminar um desgosto (...), em geral, achamos as alegrias abaixo da nossa expectativa, ao passo que as dores a excedem sobremaneira'.

Com esta obra vamos ler muito sobre reflexões, a existência e propõe uma nova maneira de pensar sobre a dor e a felicidade.

3) Aforismos para a Sabedoria de Vida

Em Aforismos para a sabedoria de vida escrita em 1851 fala sobre os elementos principais da existência, no qual deixa bem claro que a vida não apenas perdura até hoje como parece se fortalecer cada vez mais.

O autor escreve com uma linguagem clara e acessível, deixando de lado terminologias filosóficas e deseja refletir sobre os fatores que podem influenciar na procura humana pelo significado da boa vida.

Este livro contém doutrinas, recomendações e avisos para se desenvolver melhor na vida e evitar suas armadilhas.

4) A arte de escrever

A arte de escrever trata-se sobre o ofício do escritor onde Schopenhauer faz uma crítica contra o uso defeituoso, relaxado e impreciso da linguagem deixando claro que é um incentivo valioso para todos aqueles que ainda podem apreciar a beleza de um discurso bem construído e inteligível.

Este livro oferece também reflexões sobre o tema. A obra debate o mundo da literatura, prestigiando alguns pontos.

Embora tenha sido escrito na primeira metade do século XIX, estes ensaios, ao tratar sobre o mundo das letras, os vícios do pensamento humano, as armadilhas da escrita e da crítica, continuam válidos hoje talvez mais do que nunca.

5) A arte de conhecer a si mesmo

A arte de conhecer a si mesmo é um livro escrito por Arthur Schopenhauer de que a filosofia não deve ser uma mera elaboração de teorias e estruturas de pensamento, mas um guia para decisões de vida e uma certa visão da mesma.

Ele costumava guardar este livro e chamar de Eis heauton as célebres memórias de Marco Aurélio. Depois de sua morte, o executor testamentário, Willen von Gwinner as utilizava para escrever uma biografia do filósofo. Iniciado em 1821 e continuado nas décadas seguintes, este “livro secreto”.

Nesse livro vai encontrar anotações autobiográficas, recordações, reflexões, normas de comportamento, máximas e citações que Schopenhauer registrou como aquilo que era mais importante para ele e segundo ele considerava para a vida.

6) A arte de se fazer respeitar

A arte de se fazer respeitar é um livro escrito por Schopenhauer explica, com sua verve incomparável, o que é honra em suas diversas espécies: honra privada, profissional, comercial, pública, nacional, sexual etc.

Este livro é apresentado como um manual cuja intenção, em vez de ser puramente especulativo ou teórico, é propor um instrumento de sabedoria prática.

Schopenhauer sabe como se dirigir a todas aquelas pessoas que, hoje como ontem, desejam encontrar os recursos mais adequados para se fazer respeitar na vida.