Home > Autores Clássicos > Ludwig von Mises

Os melhores 3 livros de Ludwig von Mises [PDF]

Ludwig von Mises nasceu em 29 de setembro de 1881, na cidade de Lemberg, localizada na antiga Áustria-Hungria. Ele nasceu filho de um respeitado e bem-sucedido engenheiro.

Aos 19 anos de idade, von Mises já havia ingressado na prestigiosa Universidade de Viena, estudando com Eugen von Böhm-Bahwerk e Eugene von Philippovich. Ludwig von Mises obteve seu doutorado tanto em Direito Canônico quanto em Direito Romano aos 27 anos de idade. 

Após receber seu diploma avançado, von Mises escreveu a primeira do que seria uma longa lista de obras fenomenais, Teoria do Dinheiro e do Crédito (1912). Ele argumentaria com sucesso que o dinheiro tinha um preço, não diferente de qualquer outra mercadoria. A teoria se baseava na noção econômica de que todas as coisas tinham um preço de acordo com a oferta e a demanda. Von Mises teorizou que o dinheiro teria o mesmo efeito, portanto, seu «preço» também subiria e desceria.

Von Mises foi professor de economia em Viena (1913-1934) e professor de relações internacionais no Instituto de Pós-Graduação em Estudos Internacionais em Genebra, Suíça (1934-1940). Em 1945, tornou-se professor visitante de economia na Graduate School of Business Administration da Universidade de Nova York; aposentou-se em 1969. Entre 1909 e 1934 ele ocupou vários cargos de assessoramento econômico na Câmara de Comércio Austríaca.

Von Mises foi conhecido ao longo de sua carreira como um campeão intransigente do laissez-faire, argumentando em Socialismo: An Economic and Sociological Analysis (1922) Human Action: A Treatise on Economics (1949) que um sistema socialista não pode funcionar por falta de um verdadeiro sistema de preços.

Von Mises argumentou que o socialismo não poderia sustentar uma economia, devido ao fato de que sob o socialismo não há mercado para bens ou serviços. Von Mises projetou que sem uma economia industrial não haveria um sistema de preços. É o sistema de preços que determina o lucro e a perda.

No mesmo livro, von Mises também teorizou que as economias mistas não se sairiam melhor por causa da distorção envolvida. Ele também argumentou que tipos menores de intervenção, tais como leis de salário mínimo, são igualmente inúteis.

Uma teoria do ciclo comercial nasceu da teoria do dinheiro de Von Mises e foi desenvolvida por ele em detalhes em 1928. Esta teoria enfatiza o papel do sistema bancário na expansão da oferta de dinheiro, a consequente redução artificial da taxa de juros e o consequente superinvestimento. Quando a oferta de dinheiro atinge os limites de sua capacidade de expansão, produz-se inevitavelmente uma depressão.

A teoria despertou um interesse considerável entre os economistas no início dos anos 1930, mas caiu fora de vista com o advento da «revolução keynesiana», que começou em 1936. No final do século, os economistas consideraram o papel do sobre investimento como um fator de flutuação do comércio.

As publicações da Von Mises incluem quase 20 livros, assim como numerosos artigos e outras peças mais curtas que vão da teoria econômica e a história do pensamento econômico até a metodologia e filosofia social e política. Em 1969 ele se tornou um distinto companheiro da American Economic Association em reconhecimento a suas valiosas contribuições à economia. 

Por causa da visão crítica de von Mises sobre o socialismo, ele permaneceu no exílio dos nacional-socialistas em Genebra até sua morte em 1973. O trabalho mais respeitado de Von Mises foi seu trabalho de 900 páginas Sua Ação Humana, que não foi publicado até 1949. O livro tinha sido escrito no início de 1940; no entanto, em meio aos efeitos da guerra, ele foi colocado em suspense.

1) Liberalismo

Liberalismo é um livro que contém uma análise econômica e uma forte crítica ao socialismo.

Foi publicado pela primeira vez em 1927 por Gustav Fischer Verlag em Jena, Alemanha, em defesa da ideologia liberal clássica baseada no direito de propriedade individual.

Partindo do princípio da propriedade privada, Mises mostra como as outras liberdades liberais clássicas derivam dos direitos de propriedade e argumenta que o liberalismo livre da intervenção governamental é necessário para promover a paz, a harmonia social e o bem-estar geral.

O livro foi traduzido para o inglês por um estudante de Mises, Ralph Raico, mas sua primeira edição em inglês, em 1962, foi intitulada «A Comunidade Livre e Próspera» em vez de Liberalismo.

2) A Mentalidade Anticapitalista

O capitalismo, entendido como um sistema de economia livre e aberta, cuja característica é produzir bens em massa para consumo em massa, elevou consideravelmente o padrão geral de vida nos países que o aplicaram.

Apesar disso, mesmo entre seus beneficiários, o capitalismo tem uma má fama. É apresentada como a apoteose do egoísmo e da exploração. É sempre visto como um capitalismo selvagem e desumano. Esta é a encarnação, especialmente entre os intelectuais, da «A Mentalidade Anticapitalista», tão persistente desde a «revolução industrial» até os dias de hoje.

Ao analisar tão surpreendente fenômeno dedica Mises seu livro, claro e denso em conteúdo, destacando as razões para a mentalidade anticapitalista, que se deve em grande parte a motivos psicológicos como o ressentimento e, sobretudo, o desconhecimento do verdadeiro funcionamento da economia de mercado.

3) O Calculo Econômico Sob o Socialismo

O cálculo econômico no sistema socialista é um artigo do economista Ludwig von Mises. Sua crítica ao cálculo econômico numa economia planejada desencadeou o debate de décadas sobre cálculo econômico.

O artigo foi publicado pela primeira vez em alemão em 1920 sob o título Die Wirtschaftsrechnung im sozialistischen Gemeinwesen e foi baseado numa palestra que Mises deu em 1919 em resposta a um livro de Otto Neurath, que defendia a viabilidade do planejamento central.

Mises argumentou que os preços de bens de capital não poderiam ser obtidos numa economia socialista se o governo fosse proprietário dos meios de produção, já que todas as trocas seriam transferências internas, ao invés de «objetos de troca», o que deixaria o mecanismo de preços fora de ordem.