Home > Autores Clássicos > Virginia Woolf

Os melhores 7 livros de Virginia Woolf [PDF]

Nascida em 25 de janeiro de 1882, Adeline Virginia Stephen cresceu num lar extraordinário. Seu pai, Sir Leslie Stephen, foi um historiador e autor, assim como uma figura de destaque na era dourada do montanhismo. A mãe de Woolf, Julia Prinsep Stephen, nasceu na Índia e mais tarde serviu de modelo para vários pintores pré-rafaelite. Ela também foi enfermeira e escreveu um livro sobre a profissão.

Seus dois pais eram casados e viúvos antes de se casarem. Woolf tinha três irmãos – Thoby, Vanessa e Adrian – e quatro meios-irmãos – Laura Makepeace Stephen e George, Gerald e Stella Duckworth. Todas as oito crianças viviam sob o mesmo teto no 22 Hyde Park Gate, Kensington.

Dois dos irmãos Woolf haviam sido educados em Cambridge, mas todas as meninas foram ensinadas em casa e fizeram uso dos esplêndidos limites da exuberante biblioteca vitoriana da família.

Desde seu nascimento até 1895, Woolf passou seus verões em St. Ives, uma cidade à beira-mar no extremo sudoeste da Inglaterra. A casa de verão dos Stephens, Talland House, que ainda hoje está de pé, tem vista para a espetacular Baía de Porthminster e tem uma vista para o farol Godrevy, que inspirou sua escrita.

Quando ela era criança, Virgínia era curiosa, alegre e brincalhona. Ela começou um jornal familiar, Hyde Park Gate News, para documentar as anedotas humorísticas de sua família. Entretanto, os traumas iniciais escureceram sua infância, incluindo o abuso sexual de seus meio-irmãos George e Gerald Duckworth, sobre o qual ela escreveu em seus ensaios A Sketch of the Past e 22 Hyde Park Gate.

Em 1895, aos 13 anos de idade, ela também teve que lidar com a morte súbita de sua mãe por febre reumática, que levou ao seu primeiro colapso mental, e a perda de sua meia-irmã Stella, que havia se tornado chefe da escola/casa, dois anos mais tarde.

Enquanto lidava com suas perdas pessoais, Woolf continuou seus estudos em alemão, grego e latim no departamento feminino do King’s College London. Seus quatro anos de estudo a apresentaram a um punhado de feministas radicais na vanguarda da reforma educacional.

Em 1904, seu pai morreu de câncer de estômago, contribuindo para outro revés emocional que levou Woolf a ser institucionalizado por um breve período. 

A dança de Virginia Woolf entre a expressão literária e a desolação pessoal continuaria para o resto de sua vida. Em 1905, ela começou a escrever profissionalmente como colaboradora do The Times Literary Supplement. Um ano depois, o irmão de 26 anos de Woolf, Thoby, morreu de febre tifóide após uma viagem de família à Grécia.

Após a morte de seu pai, a irmã de Woolf Vanessa e seu irmão Adrian venderam a casa da família em Hyde Park Gate e compraram uma casa na área de Bloomsbury, em Londres. Durante este período, Virginia conheceu vários membros do Grupo Bloomsbury, um círculo de intelectuais e artistas que incluía o crítico de arte Clive Bell, que casou com a irmã de Virginia Vanessa, o romancista EM Forster, o pintor Duncan Grant, o biógrafo Lytton Strachey, o economista John Maynard Keynes e o ensaísta Leonard Woolf, entre outros.

Leonard Woolf e Virginia tornaram-se próximos, e eventualmente casaram em 10 de agosto de 1912. Os dois compartilharam um amor apaixonado um pelo outro para o resto de suas vidas.

Vários anos antes de se casar com Leonard, Virginia havia começado a trabalhar em seu primeiro romance. O título original era Melymbrosia. Após nove anos e inúmeros rascunhos, foi lançado em 1915 como The Voyage Out. Woolf usou o livro para experimentar várias ferramentas literárias, incluindo perspectivas narrativas convincentes e incomuns, estados oníricos e prosa associativa livre.

Dois anos mais tarde, os Woolf compraram uma impressora usada e estabeleceram a Hogarth Press, sua própria editora operada a partir de sua casa, a Hogarth House. Virginia e Leonard publicaram alguns de seus escritos, assim como a obra de Sigmund Freud, Katharine Mansfield e T.S. Eliot.Aqui estão 7 livros de Virginia Woolf em formato PDF que você pode ler e baixar de forma gratuita.

1) O Quarto de Jacó

O Quarto de Jacob é um romance de Virginia Woolf publicado em 26 de outubro de 1922. A técnica narrativa ainda causa a mesma estranheza que provocaram no início da segunda década do século passado. No entanto, é uma estranheza que está bem acompanhada de prazeres novos e inesperados.

Este romance está protagonizado por Jacob Flanders e também apresentado pelas impressões que outros personagens têm de Jacob de forma indireta, a narrativa é construída como um vazio no lugar do personagem central, de fato o romance não tem um "protagonista" em termos convencionais.

A narrativa dá pulos; salta inesperadamente, entra num contexto, logo em outro. O personagem principal nunca é realisticamente revelado, nunca se deixa mostrar inteiramente. Ler esta obra lhe mostrará outro ponto de vista da escrita e uma experiência existencial.

2) Mrs. Dalloway

Mrs. Dalloway é o quarto romance de Virginia Woolf, publicado em 14 de maio de 1925.

O romance segue Clarissa Dalloway através de um só dia na Inglaterra após a Grande Guerra, numa narrativa em estilo de fluxo de consciência. Construída através de dois contos que Woolf tinha escrito anteriormente («Mrs. Dalloway em Bond Street» e seu inacabado «The Prime Minister») a história do romance é a preparação de Clarissa para uma festa que ela vai dar naquela noite.

Usando a perspectiva interior do romance, Woolf se move para trás e para frente no tempo, e dentro e fora da mente de vários personagens para construir um quadro completo, não apenas da vida de Clarissa, mas da estrutura social entre as guerras.

3) Orlando

Orlando é uma biografia publicada em 11 de outubro de 1928. Foi publicado pela Hogarth Press, uma editora de propriedade da Woolf. É um trabalho parcialmente biográfico, baseado na vida da namorada de Woolf, Vita Sackville-West.

Esse romance é considerado um dos mais acessíveis de Woolf e, portanto, seu maior sucesso durante sua vida. Tem sido incluída muito estilísticamente e é considerada importante na literatura em geral, e na escrita feminina e estudos de gênero em particular.

O romance trata de assuntos considerados tabu na época, como homossexualidade, sexualidade feminina, assim como o papel da mulher na sociedade e como criadora literária.

4) A marca na parede

A Marca na Parede foi escrito entre 1917 e 1921, período em que o mundo era palco da Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Usa técnica que convida à reflexão, muito marcante nas obras da autora.

Esta obra é um conto curto, muito bem escrito e trabalhado. Neste conto não haverá nome dos personagens. Trata- se mais sobre um nível de análises. Todo inicia com uma marca na parede, esse ato de observar a marca se desdobra então em vários níveis de pensamento aparentemente aleatórios.

Ela através da marca começa a ter vários pensamentos, conectados pela simples emoção de mortalidade e brevidade da vida. Até que um homem a invita a se aproximar da marca e olha que é só a marca de um caracol.

5) Noite e Dia

Noite e Dia foi escrito em 1917. Ambientado na Londres eduardiana. Centra-se num romance que fala sobre os valores do casamento e sobre a necessidade de liberdade de uma mulher.

Temos diferentes personagens, entre eles Katherine quem não se importa tanto com um suposto casamento, Ralph um personagem maduro e romântico, e temos uma família inglesa que gosta da literatura, festas de chás e outras atividades que acontecem noite e dia em Londres.

O romance nesta história se desenvolve de acordo com o impulso e a razão de Katharine misturados. A construção da personagem era mostrar uma mulher com diferentes atitudes. Esta história examina as relações entre o amor, o casamento, a felicidade e o sucesso.

6) Passeio Ao Farol

Passeio ao Farol foi publicado em 5 de maio de 1927, e é um marco do alto modernismo.

O texto, centrado na família Ramsay e em suas visitas à Ilha de Skye na Escócia entre 1910 e 1920, manipula habilmente o tempo e a exploração psicológica.

Ao Farol segue e amplia a tradição de romancistas modernistas como Marcel Proust e James Joyce, em que a trama é secundária à introspecção filosófica e a prosa pode ser retorcida e difícil de seguir. O romance inclui pouco diálogo e quase nenhuma ação; a maior parte dele é escrita como pensamentos e observações.

O romance lembra o poder das emoções da infância e enfatiza a transitoriedade das relações dos adultos. Entre os muitos temas do livro estão a perda, a subjetividade e o problema da percepção.

7) A Viagem

A Viagem é o primeiro romance publicado por Woolf em 1915, pela editora de seu meio-irmão, Gerald Duckworth and Company Ltd.

A Viagem, um dos romances mais inteligentes e socialmente satíricos de Woolf, Rachel Vinrace se embarca para a América do Sul no navio de seu pai, e é lançada numa viagem de autodescoberta numa versão moderna de uma viagem mítica.

Introduz a Clarissa Dalloway, a personagem central do romance de Woolf, «Mrs. Dalloway» O conjunto irregular de passageiros dá a Woolf a oportunidade de satirizar a vida contemporânea eduardiana.

Tanto em A Viagem quanto em «Noite e dia», a intenção de Woolf de quebrar os moldes narrativos herdados de romances ingleses anteriores é evidente, especialmente a subordinação de personagens e ações à trama geral do romance, assim como as descrições de cenários e personagens tradicionais.