Home > Autores Clássicos > Voltaire

Os melhores 10 livros de Voltaire [PDF]

Nesta oportunidade lhe apresentamos 10 livros de Voltaire em formato PDF para que você possa saber tudo sobre este grande escritor francês. Mas antes, fazemos uma revisão de sua vida e de seu trabalho.

Nascido em 1694, em Paris, França, Voltaire se estabeleceu como um dos principais escritores do Século das Luzes. Muitas vezes em desacordo com as autoridades francesas por causa de suas obras, política e religiosamente acusadas, ele foi preso duas vezes e passou muitos anos no exílio. Ele morreu logo após retornar a Paris, em 1778.

Abraçando filósofos do Iluminismo como Isaac Newton, John Locke e Francis Bacon, Voltaire encontrou inspiração em seus ideais de uma sociedade livre e liberal, juntamente com a liberdade religiosa e o livre comércio.

Voltaire, de acordo com outros pensadores do Iluminismo da época, era um deísta, não pela fé, ele acreditava, mas pela razão. Ele olhou favoravelmente para a tolerância religiosa, embora pudesse ser muito crítico do cristianismo, do judaísmo e do islamismo.

No entanto, como vegetariano e defensor dos direitos dos animais, Voltaire elogiou o hinduísmo, afirmando que os hindus eram «pessoas pacíficas e inocentes, igualmente incapazes de prejudicar os outros ou de se defenderem «.

Em 1716, Voltaire foi exilado em Tulle por gozar com o Duque de Orleans. Em 1717, ele voltou a Paris, apenas para ser preso e exilado na Bastilha por um ano acusado de escrever poesia difamatória. Voltaire foi enviado à Bastilha novamente em 1726, por discutir com o Chevalier de Rohan. Desta vez, ele só foi detido brevemente antes de ser exilado para a Inglaterra, onde permaneceu por quase três anos.

A publicação das Cartas de Voltaire em inglês (1733) enfureceu a igreja e o governo francês, forçando o escritor a fugir para pastos mais seguros. Ele passou os 15 anos seguintes com sua amante, Émilie du Châtelet, na casa de seu marido em Cirey-sur-Blaise.

Voltaire mudou-se para a Prússia em 1750 como membro da corte de Frederico o Grande, e passou anos mais tarde em Genebra e Ferney.

Em 1778, ele foi reconhecido como um ícone dos ideais progressistas do Iluminismo, e recebeu as boas-vindas de um herói em seu retorno a Paris. Ele morreu lá pouco tempo depois, em 30 de maio de 1778.

1) Cândido, ou o Otimismo

Cândido é uma sátira francesa publicada pela primeira vez em 1759.

Começa com um jovem, Cândido, vivendo uma vida protegida num paraíso edênico e sendo doutrinado com o otimismo Leibniziano por seu mentor, o professor Pangloss.

O trabalho descreve a brusca cessação deste estilo de vida, seguida pela lenta e dolorosa desilusão de Cândido, que testemunha e experimenta grandes dificuldades no mundo. Voltaire conclui Cândido, se não com a rejeição total do otimismo Leibniziano, defendendo um preceito profundamente prático, «devemos cultivar nosso jardim», em vez do mantra Leibniziano de Pangloss, «tudo é melhor» no «melhor de todos os mundos possíveis».

2) Zadig

Está é uma famosa novela escrita pelo Voltaire. Conta a história de Zadig, um filósofo da antiga Babilônia. No qual narra referências levemente disfarçadas a problemas sociais e políticos do próprio tempo de Voltaire. Foi publicada no ano de 1748.

Voltaire desafia a ortodoxia religiosa e metafísica com sua apresentação da revolução moral em curso no próprio Zadig. A hábil utilização da contradição e justaposição foi elogiada por vários críticos literários.

Zadig é de natureza filosófica, e apresenta a vida humana como estando nas mãos de um destino fora do controle humano. O qual despertará grande interesse no seus leitores e apaixonantes da metafísica.

3) Dicionário Filosófico

O Dicionário filosófico é um dicionário enciclopédico publicado em 1764. Os artigos em ordem alfabética freqüentemente criticam a Igreja Católica Romana, o judaísmo, o islamismo e outras instituições.

A primeira edição, lançada em junho de 1764, foi denominada Dictionnaire philosophique portatif. Tinha 344 páginas e consistia de 73 artigos. As versões subseqüentes foram expandidas em dois volumes compostos de 120 artigos.

As primeiras edições foram publicadas anonimamente em Genebra por Gabriel Grasset. Devido ao conteúdo volátil do Dictionnaire, Voltaire escolheu a Grasset em vez de sua editora habitual para garantir seu próprio anonimato.

O dicionário foi um projeto vitalício para Voltaire. Ela representa o auge de sua visão sobre o cristianismo, Deus, a moral e outros assuntos.

4) Micromégas

Com Micromégas, Voltaire nos convida, seguindo seu herói extraterrestre, a cruzar as imensidades do espaço, a visitar alguns planetas distantes com fantasia, a nos trazer rapidamente de volta à nossa boa e velha Terra.

Durante esta maravilhosa e filosófica jornada, Voltaire quis nos fazer refletir sobre suas preocupações essenciais na época: como podemos situar o homem em relação ao cosmos e que sabedoria podemos tirar deste confronto? No auge do universo, o comportamento humano obedece muito rapidamente à divisão da razão e sem razão.

5) Tratado sobre a Tolerância

O Tratado sobre a Tolerância por ocasião da morte de Jean Calas pelo Juízo proferido em Toulouse (Peças Originais Concernant la Mort des Sieurs Calas det le Jugement rendu a Toulouse) é uma obra publicada em 1763.

Neste trabalho, Voltaire apela à tolerância entre as religiões e aborda o fanatismo religioso, especialmente o dos jesuítas (sob os quais Voltaire recebeu sua educação precoce), acusando toda e qualquer superstição em torno das religiões.

6) A Princesa da Babilônia

A Princesa da Babilônia tem dois amantes: Amazan o pastor e Formosante, princesa da Babilônia. Através de suas desventuras, e graças a seu humor, Voltaire transmite suas idéias e críticas sobre a religião, à condição humana e as diferentes sociedades de seu tempo. Deste ponto de vista, esta história se enquadra plenamente na filosofia do Iluminismo.

O pai de Formosante quer encontrar um marido digno. Toda a nobreza da época desfilou para o palácio: o faraó do Egito e seu boi Apis, o rei da Índia, o grande khan dos citas e um forasteiro bonito. Seu nome é Amazan.

7) Breves Contos II

Breves Contos II é uma coleção das obras de Voltaire. Narra quatro contos no qual se discute questões fundamentais do conhecimento e comportamento humano com profundidade filosófica. Usando recursos como a ironia e sarcasmos para criticar assuntos como: crenças, costumes e autoridades.

Os contos expostos são: Memnon, História das Viagens de Scarmentado, História das Viagens de Scarmentado e História de um Brâmane. Todos eles abordando diferentes assuntos sociais. São textos que merecem ser lidos, nos ensinam, fazem-nos pensar e, principalmente, sorrir.

8) O Ingênuo

O Ingênuo publicado no ano 1767 Uma sátira à doutrina cristã e à corrupção no seio do governo francês no século XVIII. De certa forma, contém uma crítica às ideias de J. J. Rousseau sobre o homem natural.

Ingênuo é um hurão honesto e sincero, espantado com as convenções sociais; mas o texto conclui o oposto da concepção rousseauniana de volta à natureza.

O Ingênuo foi criado num país distante e não está familiarizado com os hábitos e costumes franceses. Do mesmo modo, a obra revela a peculiar sensibilidade crítica de Voltaire. Ataca o clero católico, principalmente os jesuítas, em relação aos quais nunca escondeu sua ojeriza.

Esta obra vem se caracterizando pela mistura de gêneros literários com características como o Conto Filosófico, o Apólogo e até o Romance.

9) O Touro Branco

O Touro Branco publicada em 1774, conta com um misto de lendas orientais traduzidos pela metamorfose animal. Uma história mística que permitirá se adentrar nessa atmosfera. Conta com personagens históricos, bíblicos e mitológicos envolvidos, aproveitam-se da oportunidade para justificar atos pelos quais foram julgados e até condenados de forma dogmática por várias gerações.

Nesta fábula encontrará a mistura de elementos culturais e filosóficos, como também mitologias tais como a cristã e a egípcia, transmitida como uma comédia animal. Será uma grande experiência para o leitor que permitirá conhecer outros pontos de vista.

10) O mundo como está

O mundo como está é um conto filosófico publicado em 1748, no estilo do orientalismo. Este conto é um reflexo da sociedade de Voltaire em seu tempo e torna possível esconder as repreensões de Voltaire à capital francesa sob a ficção, evocando-a através de Persépolis. Ele usa assim o novo processo do olho, já utilizado por Montesquieu em suas Cartas Persas.

Ituriel é um anjo que preside o império do mundo e confia a Scythe Babouc, a personagem principal, uma missão. Babouc deve observar Persépolis (na verdade Paris) e seus habitantes acusados de todos os males para decidir se Ituriel deve destruir ou punir esta cidade.