Home > Autores Clássicos > Herman Melville

Os melhores 3 livros de Herman Melville [PDF]

Herman Melville nasceu em Nova York em 1º de agosto de 1819, filho de Allan e Maria Gansevoort Melvill. Em meados dos anos 1820, o jovem Melville adoeceu de escarlatina e, embora tenha recuperado sua saúde logo em seguida, sua visão foi permanentemente prejudicada pela doença.

A família tinha desfrutado de uma vida próspera por muitos anos devido ao sucesso de Allan como importador e comerciante de alto nível. No entanto, ele também estava contraindo empréstimos pesados para financiar seus interesses comerciais, e depois de mudar a família para o norte do estado de Albany numa tentativa fracassada de se mudar para o comércio de peles em 1830, a fortuna da família sofreu um grande golpe. Quando Allan morreu repentinamente em 1832, as finanças foram significativamente reduzidas.

O filho mais velho de Allan, Gansevoort, assumiu o negócio de peles e chapéus da família em Nova York após a morte de seu pai, enquanto Melville trabalhava num banco para ajudar a pagar as contas. Durante a década de 1830, matriculou-se na Albany Academy e na Albany Classical School, onde estudou literatura clássica e começou a escrever poemas, ensaios e contos. Ele deixou Albany em 1837 para trabalhar como professor em Massachusetts, mas achou o trabalho insatisfatório e logo retornou a Nova York. 

Naquele ano, o negócio de peles e bonés de Gansevoort falhou, colocando novamente o Melvilles em dificuldades financeiras terríveis. A família se mudou para Lansingburgh, Nova Iorque, e Melville se matriculou na Academia de Lansingburgh para estudar topografia, na esperança de conseguir um emprego no recém-lançado projeto do Canal Erie.

Incapaz de conseguir um trabalho cobiçado, Melville seguiu a sugestão de Gansevoort de trabalhar como membro da tripulação de um navio. Em 1839, ele se inscreveu como garoto de cabine num navio mercante chamado St. Lawrence, que viajou de Nova Iorque para Liverpool, Inglaterra e vice-versa.

Em 1841, Melville embarcou em sua segunda viagem marítima depois de ser contratado para trabalhar a bordo do Acushnet, um navio baleeiro. Sua viagem selvagem subsequente forneceu as centelhas para sua carreira literária ainda por realizar: após chegar às Ilhas Marquesas da Polinésia em 1842, Melville e um companheiro de tripulação abandonaram o navio e, logo depois, foram capturados por canibais locais.

Embora Melville tenha sido bem tratado, ele escapou após quatro meses a bordo de outro navio baleeiro, o Lucy Ann, e foi preso após juntar-se à tripulação num motim. Finalmente, eñe acabou em Havaí antes de fazer uma viagem de volta a Massachusetts nos Estados Unidos, e chegou em casa mais de três anos depois de sua partida.

Melville imediatamente colocou a caneta no papel para registrar suas experiências. Typee: Um Olhar sobre a Vida na Polinésia (1846), uma combinação de suas histórias pessoais e eventos imaginários, atraiu a atenção por suas descrições detalhadas da vida marinha e uma trama aparentemente selvagem demais para acreditar. O autor acompanhou em 1847 com uma sequência igualmente bem-sucedida, Omoo: Uma Narrativa de Aventuras nos Mares do Sul.

Em 1851, o autor entregou o que viria a ser sua obra de assinatura, Moby-Dick. Foi baseado tanto nos anos de experiência de Melville a bordo dos baleeiros quanto no desastre da vida real do baleeiro Essex.

Moby-Dick se vendeu mal, como fizeram romances posteriores como Pierre; ou As Ambiguidades (1852) e Israel Potter: Seu Exílio de Cinquenta Anos (1855). Após o lançamento de O homem de confiança: a sua mascarada em 1857, Melville abandonou a escrita de romances.

Melville proferiu uma série de palestras no final da década de 1850 e, na década seguinte, iniciou uma carreira de 20 anos como inspetor aduaneiro na cidade de Nova Iorque. Ele também transformou seus interesses criativos em poesia durante este período, publicando uma coleção chamada Battle-Pieces and Aspects of the War em 1866. Em 1876, ele publicou o épico Clarel: A Poem and Pilgrimage in the Holy Land, baseado numa viagem anterior.

Melville havia finalmente começado a trabalhar em outro romance quando morreu de um ataque cardíaco em Nova York, em 28 de setembro de 1891.

1) Moby Dick

Moby Dick é um romance publicado em 1851. Ele narra a viagem do navio baleeiro Pequod, comandado pelo capitão Ahab, junto com Ismael e o arpoador Queequog numa procura obsessiva e autodestrutiva de um grande cachalote branco.

Além da perseguição e evolução de seus personagens, o tema do romance é eminentemente enciclopédico, incluindo descrições detalhadas e extensivas da caça às baleias no século XIX e uma infinidade de outros detalhes da vida marinha da época.

Talvez por esta razão o romance não tenha sido um sucesso comercial em sua primeira publicação, embora tenha posteriormente servido para consolidar a reputação do autor como um dos melhores escritores americanos.

2) Bartleby, o Escrivão

Bartleby, o Escrivão é um conto de Herman Melville, publicado pela primeira vez em 1853. O personagem central é tão marcante e a história tão poderosa que fascinou tanto os leitores quanto os críticos por igual.

Um advogado de Nova York em meados do século XIX Nova York decide contratar um novo copista. Atendendo ao anúncio do advogado, um jovem aparece à porta de seu escritório, caracterizado como uma figura «pálida, limpa, lamentavelmente respeitável, incuravelmente assola-a». Foi Bartleby. No início, o novo copista trabalhou fazendo o que se esperava dele: cópias.

Esta é uma intrigante alegoria moral estabelecida no mundo dos negócios de meados do século XIX de Nova York. Bartleby força seu empregador a enfrentar as questões mais básicas da responsabilidade humana, e atormenta a consciência deste último, mesmo depois da demissão de Bartleby.

3) Jaqueta Branca

Jaqueta branca é um romance que conta a vida no mar escrito por um dos grandes autores da língua inglesa; Herman Melville. A história se baseia nas suas próprias experiências como marinheiro para fazer um conto muito realista e narrar as condições de vida a bordo de um navio de guerra no século XIX.

Um dos personagens principais é Jaqueta Branca, um marujo que precisa de se confeccionar roupa para tentar se proteger do frio. O livro conta cada fase que passou como marujo. Um momento muito difícil, já que estavam em meio a uma guerra.

Nesta história também se apresenta a viagem do navio que foi do Pacifico para a Costa Leste dos Estados Unidos, percorre quase toda a América do Sul e a travessia do Cabo Horn e escala no Rio de Janeiro. Nessa travessia acontecem muitos azares. Neste livro o autor se centra em temas reformismo, revolução, escravidão e liberdade.