Home > Autores Clássicos > Victor Hugo

Os melhores 4 livros de Victor Hugo [PDF]

Victor-Marie Hugo nasceu em Besançon, França, em 26 de fevereiro de 1802, sua mãe Sophie Trébuche e o pai Joseph-Léopold-Sigisbert Hugo. Seu pai era um oficial militar que mais tarde serviu como general sob o governo de Napoleão.

Hugo estudou direito entre 1815 e 1818, embora nunca tenha se comprometido com a prática jurídica. Incentivado por sua mãe, Hugo embarcou numa carreira literária. Ele fundou o Conservateur Litteraire, uma revista na qual publicou sua própria poesia e o trabalho de seus amigos. Sua mãe morreu em 1821. No mesmo ano, Hugo se casou com Adèle Foucher e publicou seu primeiro livro de poesia, «Odes et poésies diverses». Seu primeiro romance foi publicado em 1823, seguido por uma série de peças de teatro.

Em 1831, ele publicou uma de suas obras mais duradouras, Notre-Dame de Paris (The Hunchback of Notre Dame). Situado nos tempos medievais, o romance apresenta uma dura crítica à sociedade que demande e afasta o corcunda, Quasimodo. Este foi o trabalho mais celebrado de Hugo até hoje e preparou o caminho para sua posterior redação política.

Hugo se estabeleceu como uma das figuras literárias mais famosas da França na década de 1840. Em 1841, ele foi eleito para a Academia Francesa e nomeado para a Câmara de Pares. Ele deu um passo atrás ao publicar seu trabalho após o afogamento acidental de sua filha e de seu marido em 1843. Em particular, ele começou a trabalhar numa redação que se tornaria Les Misérables.

Hugo fugiu para Bruxelas após um golpe de Estado em 1851. Ele viveu em Bruxelas e na Grã-Bretanha até seu retorno à França em 1870. Muito do trabalho que Hugo publicou durante este período transmite sarcasmo mordaz e críticas sociais ferozes. Entre estes trabalhos está o romance Les Misérables, que foi finalmente publicado em 1862. O livro foi um sucesso imediato na Europa e nos Estados Unidos. Mais tarde reinterpretado como um musical teatral e um filme, Les Misérables continua sendo uma das obras mais conhecidas da literatura do século XIX.

Embora Hugo tenha retornado à França depois de 1870 como símbolo do triunfo republicano, seus últimos anos foram em grande parte tristes. Ele perdeu dois filhos entre 1871 e 1873. Suas obras posteriores são um pouco mais escuras do que seus escritos anteriores, focalizando temas de Deus, Satanás e morte.

Em 1878, ele sofreu um congestionamento do cérebro. Hugo e sua amante, Juliette, continuaram a viver em Paris para o resto de suas vidas. A rua onde ele morava foi renomeada Avenida Victor Hugo por ocasião de seu 80º aniversário em 1882. Juliette morreu no ano seguinte e Hugo morreu em Paris em 22 de maio de 1885. Ele recebeu o funeral de um herói. Seu corpo jazia sob o Arco do Triunfo antes de seu enterro no Panthéon.

1) Os Miseráveis

Situado na era pós-Napoleônica logo após a Revolução Francesa, «Os Miseráveis» é a história de Jean Valjean, um condenado, que acaba de sair da prisão depois de cumprir 19 anos por roubar um pão de forma.

Influenciado pelo bispo para iniciar uma nova vida, Jean assume um novo nome e se muda para um novo local onde se torna um cidadão respeitado e faz fortuna na fabricação. O inspetor da polícia, Javert, suspeita dele, mas só quando a consciência de Jean o impele a revelar sua verdadeira identidade é que ele é forçado a fugir.

2) O Homem que Ri

O homem que ri, publicado originalmente em 1869. Trata-se de um romance histórico situado na Inglaterra , entre os séculos XVII e XVIII. Esta é uma história que mostra um romantismo burlesco para mostrar a face da miséria e degradação humana, a mutilação como punição, além de embate político e relevância no que concerne às mudanças de status sociais.

A história começa quando os comprachicos, traficantes de crianças, mutilam o menino órfão, transformando-o num monstro. Eles lhe cortam os dois lados da boca, aparentando ter um riso com o propósito de transformá-lo em atração nas feiras e circos e o abandonando-o à própria sorte, o nome desta criança é Gwynplaine (personagem principal).

Numa noite de nevasca, encontra uma menininha cega quase congelada junto à mãe morta chamada Dea com quem manteve um grande vínculo pois se mantêm junto até adultos. O Homem Que Ri faz uma crítica à aristocracia na Inglaterra de forma apaixonada e dramática, o amor e a desigualdade; a dor e a miséria.

3) Os Trabalhadores do Mar

Em Os trabalhadores do mar Mess Lethierry é o proprietário de La Durande, um navio a vapor encalhado em um recife pelas maquinações criminosas de seu capitão, o Sieur Clubin. Louco de raiva com a ideia de que o motor revolucionário de seu navio a vapor está perdido de vez, Lethierry promete dar a mão de sua sobrinha Déruchette a quem quer que recupere o motor do naufrágio.

De Guernsey Gilliatt, um pescador tão robusto quanto um sonhador, mas acima de tudo apaixonado por Déruchette, aceita o desafio. Depois de muitas aventuras, especialmente sua luta contra os elementos e o polvo, Gilliatt consegue realizar sua missão, mas ao retornar, ele percebe que Déruchette se apaixonou pelo jovem pastor Ebenezer. Gilliatt se sacrifica e desaparece pela felicidade de Déruchette.

4) O'corcunda de Notre-Dame

O’corcunda de Notre-Dame, segundo romance de Hugo, enfatiza o tema de ananke, a palavra grega para destino ou necessidade. Ananke aparece no romance principalmente como uma transição inevitável; estilisticamente, a transição é do classicismo para o romantismo e, em última instância, do humano para o divino.

A Catedral de Notre-Dame é a encarnação do que deve ser reconhecido como a permanência da transição. Originalmente um templo galo-romano à divindade clássica Júpiter, tornou-se uma basílica cristã e depois, no século XII, uma catedral românica. Enquanto sua construção continuou no século XIII, o estilo gótico ultrapassou e sucedeu à configuração românica; e a catedral, concluída em 1345, foi o roteiro arquitetônico de sua própria história. O romance é sobre esta catedral como uma declaração de ananke e não sobre qualquer um de seus muitos personagens particulares.